BREVE DOLENDUM PROFECTO EST, 1870 | por Sua Santidade PIO IX

Ao Reverendíssimo Abade de Solesmes,
que ofereceu ao Santíssimo Padre o livro de
polêmica intitulado: De la Monarchie Pontificale
à propos du livre de Mgr l’évêque de Sura
.
 
[Da Monarquia Pontifícia, acerca do livro de Monsenhor…]

(Roma, 12 mar. 1870)

_______

Ao Nosso dileto filho Próspero Guéranger,
da Congregação Beneditina da França, Abade de Solesmes.

PIO IX, SOBERANO PONTÍFICE.

Dileto Filho, Saudação e Bênção Apostólica.

É certamente coisa deplorável, filho dileto, que entre os católicos se encontrem homens que, embora se gloriem desse nome católico, se mostrem completamente imbuídos de princípios corrompidos, e adiram a estes com tal obstinação, que não sabem mais submeter com docilidade sua inteligência ao juízo da Santa Sé quando este lhes é contrário, e ainda mesmo quando o assentimento comum e as recomendações do Episcopado vêm corroborá-lo. Vão eles ainda mais longe e, fazendo o progresso e felicidade da sociedade humana depender de tais princípios, esforçam-se em inclinar a Igreja para o sentir deles; considerando-se os únicos sábios, não coram eles em dar o nome de partido ultramontano à inteira família católica, cujo pensamento é diverso do deles.

Essa loucura chega a tal excesso, que se arrogam de refazer até mesmo a Divina Constituição da Igreja, e de adaptá-la às formas modernas dos governos civis, a fim de rebaixar mais facilmente a autoridade do Cabeça supremo, que Cristo a ela prepôs e cujas prerrogativas receiam eles. Vê-se, assim, proporem eles com audácia, como indubitáveis ou ao menos completamente livres, doutrinas muitas vezes reprovadas; e tornarem a agitar, conforme os antigos defensores dessas mesmas doutrinas, chicanas históricas, passagens mutiladas, calúnias lançadas contra os Romanos Pontífices, sofismas de todo o gênero. Recolocam eles impudicamente todas essas coisas em evidência, sem levar em conta alguma os argumentos pelos quais foram elas cem vezes refutadas. O objetivo deles é agitar os espíritos, e excitar as pessoas de sua facção e o vulgo ignorante, contra a maneira de entender comumente professada. 

Além do mal que fazem, lançando assim perturbação entre os fiéis e entregando a discussões de rua questões gravíssimas, eles Nos reduzem a deplorar, na sua conduta, um contrassenso equiparável ao seu atrevimento. Se eles cressem firmemente, com os demais católicos, que o Concílio ecumênico é governado pelo Espírito Santo, que é unicamente pelo sopro desse divino Espírito que ele define e que ele propõe o que deve ser crido, jamais lhes teria ocorrido pensar que coisas não reveladas ou prejudiciais à Igreja pudessem ser ali definidas, e não imaginariam eles que as manobras humanas pudessem entravar o poder do Espírito Santo e impedir a definição de coisas reveladas e úteis à Igreja.

Eles não se persuadiriam, tampouco, de que tenha sido defeso propor aos Padres, da maneira conveniente, com o objetivo de fazer resplandecer com maior fulgor a verdade, mediante a discussão, as dificuldades que eles teriam a opor a esta ou aquela definição. Se fossem movidos somente por esse motivo, abster-se-iam de todas as astúcias, com cujo auxílio tem-se o costume de captar sufrágios nas assembleias populares, e esperariam, em tranquilidade e com respeito, o efeito que deve produzir a luz proveniente do alto.

Por isso, Nós estimamos que vós prestastes utilíssimo serviço à Igreja, empreendendo a refutação das principais asserções que se encontram nos escritos publicados sob aquela influência; e, pondo a descoberto o espírito de dissensão, a violência e o artifício que ali reinam, realizastes esta obra com tal solidez, tal brilho e tal abundância de argumentos hauridos na antiguidade sacra e na ciência eclesiástica, que, reunindo muita coisa em poucas palavras, vós retirastes todo o prestígio de sabedoria a todos aqueles que haviam ocultado seus próprios pensamentos sob discursos desprovidos de razão. Restabelecendo a verdade da fé, do bom direito e da história, chamastes para vós o interesse dos fiéis, tanto daqueles que possuem instrução como os que dela estão carentes. 

Nós vos exprimimos, pois, Nossa gratidão particular pela homenagem que Nos fizestes com este livro, e pressagiamos um magnífico e grandíssimo sucesso ao fruto de vossas vigílias. Como augúrio desse êxito e penhor de Nossa benevolência, Nós vos concedemos, com viva afeição, a Bênção Apostólica.

Dado em São Pedro de Roma, a 12 de março de 1870, vigésimo-quarto ano de Nosso Pontificado.

PIUS PP. IX.


EPISTOLA SANCTISSIMI PATRIS

Ad Reverendissimum Abbatem Solesmensem, qui Sanctissimo Patri librum polemicum obtulit, cui titulus: De la monarchie Pontificale à propos du livre de Mgr. l’Évêque de Sura.

_______

Dilecto Filio Prospero Guéranger,
e Congregatione Benedictina Galliarum, Abbati Solesmensi

PIUS PP. IX.

Dilecte fili, salutem et Apostolicam Benedictionem.

Dolendum profecto est, dilecte fili, nonnullos esse inter catholicos, qui dum hoc nomine gloriantur, vitiatis penitus imbuti principiis, adeo præfracte istis adhærent, ut non modo plane subjicere nesciant intellectum adverse hujus Sanctæ Sedis judicio, communi etiam Episcoporum assensu et commendatione roborato: sed imo censentes, societatis humanæ progressum et felicitatem illis omnino niti, Ecclesiam inclinare conentur ad sententiam suam, seque solum supere arbitrati, reliquam omnem catholicorum familiam aliter sentientem ultramontanæ partis nomine designare non erubescant.

Quam quidem insaniam eo compellunt, ut divinam ipsam Ecclesiæ constitutionem refingere aggrediantur et exigere ad recentiores civilis regiminis modos; quo supremi Rectoris ei a Christo præpositi facilius deprimant auctoritatem, cujus prærogativas expavescunt. Quamobrem perniciosas quasdam doctrinas sæpius improbatas audacter in medium proferunt, uti indubias aut saltem plane liberas; corradunt e veteribus earum propugnatoribus captiunculas historicas, mutila scriptorum testimonia, calumnias Romanis Pontificibus affectas, sophismata quævis; eaque omnia, sepositis omnino solidis argumentis quibus centies explosa sunt, impudentissimi regerunt; eo spectantes, ut animos commoveant, suæque factionis homines et imperitorum vulgus adversus communem cæterorum sententiam incitent. 

Quo sane incœpto, præter damnum invectæ perturbationis fidelium, et detractarum ad trivia gravissimarum quæstionum, insipientiam audaciæ parem deplorare cogimur. Nam, si firmiter cum cæteris catholicis tenerent, œcumenicam synodum a Spiritu Sancto regi, soloque ejus afflatu definire ac proponere quæ credenda sunt, numquam in animum inducerent, vel ea definiri posse, uti de fide, quæ revelata revera non sunt, aut obsint Ecclesiæ; vel humanas artes impedimento esse posse Spiritus Sancti virtuti, quominus ea, quæ revelata sunt et Ecclesiæ utilia definiantur.

Vetitum certe non ducerent, ea qua decet ratione, proponi Patribus difficultates, quas huic aut illi definitioni obstare arbitrantur, ut lucidior e disceptatione veritas emergeret; at uno hujus acti studio, prorsus abstinerent ab artibus quibus captari solent in comitiis populi suffragia, tranquillique et reverentes expectarent supernæ illustrationis effectum.

Utilissimam igitur operam Ecclesiæ te impendisse censuimus, qui præcipua ex ejusmodi scriptis refellenda suscepisti, eorumque simultatem, violentiam et artes, ea soliditate demonstrasti, eo nitore, ea sacræ archæologiæ scientiæque ecclesiasticæ copia, ut plurima paucis complexus, præstigium omne sapientiæ abjudicaveris iis, qui sententias involvebant sermonibus imperitis; restitutaque veritate fidei, juris, et historiæ, cultis indoctisque fidelibus consulueris. Pergratum itaque tibi ob oblatum volumen profitemur animum; exitumque faustum et amplissimum ominamur lucubrationi tuæ. Ejus vero auspicem et paternæ Nostræ benevolentiae pignus Apostolicam Benedictionem tibi peramanter impertimus.

Datum Romæ apud S. Petrum, die 12 Martii 1870, Pontificatus Nostri Anno XXIV.

PIUS PP. IX.

Trad. por Felipe Coelho, de Acta ex iis decerpta quae apud Sanctam Sedem geruntur in compendium opportune redacta et illustrata, vol. V, Romae: Typis Polyglottae Officinae S. C. de Propaganda Fide, 1869-70, p. 511-512.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Blog no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: