NOTA SOBRE A AMIZADE E A FALSA AMIZADE NA MODERNIDADE

Na imagem em destaque, São Basilio Magno e São Gregório Nazianzeno, dois amigos de uma amizade tão profunda que diziam deles “dois corpos, uma única alma”.

Nos tempos atuais, a palavra “amizade” perdeu seu sentido original, muito se deve ao pensamento liberal, relativista e distorções pervertidas da filosofia moderna. Poucas pessoas sabem de fato o que é amizade. Fala-se em “amizade virtual” (ou à distância), “amizade colorida” etc. Mas será que são realmente amizades? O primeiro pensador que tratou mais extensamente sobre o tema foi Aristóteles. Escreve o Filósofo:

A amizade é, de fato, uma virtude, ou implica virtude e, além disso, ela é o que existe de mais necessário para a vida. Certamente, ninguém escolheria viver sem amigos, ainda que tivesse todos os outros bens (Ética a Nicômaco, 1155a2-6).

Tal citação é confirmada às luzes da Doutrina Cristã, pois ensina Santo Tomás de Aquino, Doutor Comum da Igreja:

… na convivência geral, havemos de nos ordenar convenientemente para os outros, tanto pelas nossas obras como pelas nossas palavras, comportando–nos para com cada um conforme ele o exige. E, portanto, deve haver uma virtude especial que observe essa conveniência de ordem. E essa se chama amizade ou afabilidade (S.Th., II-II, q. 114, a. 1, corpus).

Isso confirma que a amizade é a virtude que ajuda o homem a se ordenar convenientemente na sociedade na relação para com outros homens. O homem é um animal social e seria impossível ordenar-se conveniente numa sociedade onde todos os homens são inimigos dos outros, logo, a amizade é uma virtude essencialmente necessária para qualquer sociedade minimamente saudável. Como ensina a sã filosofia, dentre os dez predicamentos ou categorias, temos o gênero de acidentes qualidade, que se divide em outras espécies (cf. “NOTA SOBRE CATEGORIAS OU PREDICAMENTOS”; e ARISTÓTELES; Categorias, 9a). Uma dessas espécies do gênero qualidade é o hábito. O hábito é uma disposição estável no ente que é como um acidente que é intermediário entre a potência e o ato que pode ser entitativo ou operativo. A primeira forma são movimentos naturais decorrente da forma substancial do ente. No caso do homem, temos o hábito da sindérese, onde se dá o conhecimento dos primeiros princípios da razão prática. Temos também os hábitos operativosque não aprofundarei senão dizer que podem ser bons ou maus a depender do seu objeto. Os hábitos operativos bons chamamos de virtudes e os maus de vícios (cf. DANIEL C. SCHERER; A Raiz Antitomista da Modernidade Filosófica, Edições Santo Tomás, 2018, p. 75). A virtude, podemos dizer, é um hábito operativo que busca a perfeição da potência (S. TOMÁS DE AQUINO; S.Th., I-II, q. 55, a. 1, corpus).

Assim, a amizade é de fato uma virtude e uma virtude especial parte da virtude cardeal justiça. Santo Tomás de Aquino ensina que a amizade é parte da justiça porque “concerne a um débito de honestidade, dependente mais da parte que possui essa virtude, do que de outrem, e que o leva a lhe fazer ao outro o que a si mesmo quer que lho faça” (S.Th., II-II, q. 114, a. 2, corpus). Santo Tomás endossa o que Aristóteles ensina:

… a amizade perfeita é aquela dos homens bons e que são semelhantes em virtude, pois esses homens bons desejam igualmente coisas boas uns aos outros, e eles são bons por si mesmos. Assim, aqueles que desejam coisas boas aos amigos por eles mesmos são amigos por excelência, porque eles são assim por sua própria natureza, e não por acidente; assim, a amizade deles permanecerá enquanto eles forem bons, e a bondade é uma virtude duradoura. E cada um deles é bom em si mesmo e também para o seu amigo, pois os bons são simplesmente bons e mutuamente úteis. E do mesmo modo também eles são agradáveis, pois os homens bons são agradáveis em si mesmos e também uns aos outros, já que cada um faz residir seu prazer nas próprias ações, e as ações dos homens bons são idênticas ou semelhantes (Ética a Nicômaco, 1156b7-17).

Podemos distinguir assim três tipos de amizades: a deleitável, onde fazemos amizade com alguém porque essa pessoa é agradável (fazemos amizade porque a pessoa tem as mesmas atividades lúdicas que a nossa, por exemplo); a útil, porque a pessoa pode nos ajudar com algo; e, por fim, a honesta, onde a razão dessa amizade é a virtude, a busca conjunta pela perfeição. A amizade honesta, necessariamente é útil e deleitável. Na concepção cristã, ela é muitíssimo mais elevada. Isso demonstra São Gregório Nazianzeno ao descrever a sua profundíssima amizade com São Basílio Magno:

Assim como cada pessoa tem um sobrenome recebido de seus pais ou adquirido de si próprio, isto é, por causa da atividade ou orientação de sua vida, para nós a maior atividade e o maior nome era sermos realmente cristãos e como tal reconhecidos (Oratio 43, in laudem Basilii Magni, 21: PG 36, 523).

Vemos na citação acima, um dos mais perfeitos exemplos de amizade da história. Ambos eram amigos para realmente glorificar juntos a Deus. Não à toa disseram deles que eram uma alma em dois corpos. Ambos queriam a mesma coisa: a glória de Deus. Porém, a modernidade nos deu duas realidades que merecem ser abordadas: a dita amizade colorida e a amizade virtual ou à distância são amizades? Antecipo que a primeira é falsa amizade e a segunda uma amizade verdadeira, mas incompleta. Explico.

A amizade necessariamente tem o bem por objeto, como toda virtude. Assim, concluímos que a dita “amizade colorida” não pode ser chamada de amizade de forma alguma, visto que há uma intenção sexual sem a intenção matrimonial (uma forma mais profunda de amizade honesta). Ora, chamamos fornicação o ato sexual fora do matrimônio e fornicação é pecado mortal. Como o pecado mortal nos aparta de Deus, que é o Sumo Bem e nos faz merecer o inferno, concluímos que a “amizade colorida” tem por objeto o mal e não o bem, ainda que os praticantes dessa amizade creiam buscar um bem, que é o prazer venéreo. A amizade colorida é tão falsa amizade como é falsa a amizade entre criminosos que se juntam para cometer crimes.

A chamada “amizade virtual” já é um caso mais complexo porque depende do fim. Uma “amizade colorida” de forma virtual é, evidentemente, pecado mortal e, portanto, uma falsa amizade. Se o objeto for um bem de fato, pode ser uma verdadeira amizade, pois a tecnologia possibilita contato com pessoas distantes criando uma forma de, digamos, uma sociedade virtual (a realidade virtual é um continente numérico onde a interação entre pessoas é possível). É possível interagir virtualmente buscando, por meio de trocas de ideias, por troca de palavras, um fim bom, ajudar, é possível uma relação boa. A amizade à distância é, podemos dizer, uma amizade verdadeira mas imperfeita, apenas com a potência de se tornar uma amizade perfeita. É imperfeita porque é acidentalmente incompleta, tal como uma pessoa com membros amputados é verdadeiramente uma pessoa com as partes essenciais, mas incompleta por falta de membros que lhe são próprios. Falta à amizade virtual o convívio real e físico com a pessoa para ter a plenitude de uma amizade perfeita.

Infelizmente, por causa da apostasia generalizada, onde está difícil encontrar até mesmo quem cumpre os mínimos preceitos de lei natural. Sendo a amizade parte da virtude da justiça, é necessário que haja um mínimo de noção de justiça. Ainda que sejam noções adquiridas tão somente pela própria razão natural. Isso evidentemente coopera com a proliferação (fora, claro, os afetos desordenados causados pela tríplice concupiscência).

Seja como for, o homem jamais viverá bem sem amigos. Homem moderno vive mal, muito mal, porque não tem verdadeiros amigos. A apostasia destrói a sociedade não apenas porque apaga a fé das pessoas, mas porque acaba com o vínculo da amizade. Seja entre os próprios apóstatas, seja porque não podem ser verdadeiros amigos de cristãos.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Blog no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: