REFUTANDO A FALSA REFUTAÇÃO DA MONTFORT

NOTA: texto originalmente publicado nos stories da página de Instagram Veritatis Catholicus (@veritatis_catholicus), cujo texto original colocarei em letras menores [ADENDO: há um comentário no vídeo da Montfort com o mesmo texto de alguém chamado Victor que não sei se é a mesma pessoa que publicou na página. Seja como for, julguei o texto muito bom e pertinente]. Apenas acrescentarei comentários.

COMENTÁRIO INTRODUTÓRIO: a Associação Cultural Montfort publicou recentemente (mais) um vídeo contra o sedevacantismo (AQUI). Como um qualquer apostolado falido, praticamente desde que Alberto Zucchi assumiu a presidência desde a morte de Orlando Fedeli (que já difamava os papas como faz o atual presidente).

A Montfort, para justificar a sua herética e cismática posição, desde sempre ensina a possível falibilidade de um concílio ecumênico da Igreja (coisa que é impossível como mostro AQUI), difama de forma contumaz papas como Pio IX e Pio XII, como mostro AQUI (na verdade, nem São Pedro escapa pois até ele o Alberto Zucchi o difamou insinuando que deveríamos crer que ele caiu do seu pontificado na tríplice negação, sendo que ele não era papa ainda e mesmo que fosse, isso é um pecado contra a caridade e não contra a fé como prova São Roberto Belarmino em De Romano Pontifice, lib. I, cap. XII, que é uma autoridade superior a ele e Orlando Fedeli).

Logo no começo, chama os sedevacantistas como um todo de seita. Ora, existem diversos apostolados e congregações sedevacantistas e nem todos atuam juntos. Há divergências como há no meio “reconhecer e resistir”. A Montfort não se dá bem com a TFP, Arautos, FSSPX, Resistência etc, e tem em Orlando Fedeli um guru, praticamente a sua regra próxima da fé. Isso não é ser sectário? Sectarismo há em todo lugar e isso independe da posição porque decorre da mancha do pecado original, somos imperfeitos. Mesmo com um papa legítimo, isso não impediria que surgissem setores sectários. Ainda no vídeo comentado em questão, vemos também a desonestidade do autor do vídeo ao querer criar uma caricatura dos sedevacantistas em geral como, por exemplo, insinuar que só porque o Frei Tiago de São José é terraplanista, todos os outros sedevacantistas deverão ser necessariamente. Bem, isso não é objeto de discussão e eu mesmo não sou dessa posição, mas crer na Terra plana é um atentado contra a fé? Creio que não. Mas crer que um concílio ecumênico da Igreja aprovado pelo papa pode conter erros vai sim contra a fé católica. E em outro momento coloca imagens do Diogo Rafael Moreira mostrando uma camisa com a estampa do Olavo de Carvalho com a frase “Olavo tem razão” como insinuando que o olavismo seria um elemento inerente ao sedevacantismo. Como vemos abaixo:

Novamente, tal como o Pai da Mentira, o autor, que é provavelmente o seu servo, engana quem assiste ao vídeo, pois no mesmo vídeo o Diogo critica o Olavo (AQUI). Inclusive, na imagem podemos ler “Quando o Olavo NÃO tem razão”. O próprio Orlando Fedeli concordaria integralmente com o vídeo. Inclusive, eu mesmo sou crítico severo do Olavo onde ele merece ser criticado. Creio que isso baste para iniciar os comentários.

Refutação básica:

1. Erro epistêmico: A Monfort costumeiramente relativiza e questiona aqueles que reconhece como autoridades maiores (papas e concílios), mas usa aqui argumento baseado em autoridades menores (teólogos). Ora, se até papas podem ser resistidos e contraditados, quanto mais os teólogos! Que incoerência desbragada. Enquanto isso, basta um sedevacantista apontar fortes argumentos vindos de teólogos ou doutores da Igreja para esses argumentos serem velozmente descartados. “Ain, mas é que fulano e cicrano não são infalíveis!”

COMENTÁRIO: A fraqueza da Montfort é evidente, assim como incoerente. A Montfort em verdade odeia a doutrina do papado para viver um catolicismo particular onde a regra próxima da fé é o Orlando Fedeli, onde a partir dele podemos chamar o gigante Pio IX de liberal. Podemos acusar Pio XII de ter defeccionado na fé por supostamente endossar uma carta do maçom Roosevelt e outros absurdos. E, claro, temos de ter Orlando Fedeli como regra de fé e exaltar a figura do protestante e heresiarca Joseph Ratzinger (dito “Papa” Bento XVI). Não apenas a incoerência é patente na Montfort, mas a canalhice também.

2. Desleixo: O vídeo faz várias citações mas não inclui qualquer referência bibliográfica. Isso mostra que não estão querendo fazer um trabalho sério. Querem descartar o sedevacantismo rapidamente sem ter que suar e se dar ao trabalho de referenciar as fontes. Enquanto isso, via de regra, sedevacantistas laboriosamente fornecem copiosa e robusta bibliografia em sua argumentação. Se quer ser efetivo, faça um serviço que preste e publique a bibliografia com edição, editora, ano de publicação, número da página ou seção, etc., para que os textos mencionados sejam consultados e vistos em seu contexto.

COMENTÁRIO: A verdade é que eles não querem mostrar que as suas citações são terceirizadas. A citação do Cardeal Billot está no livro do Arnaldo Vidigal Xavier da Silveira, no capítulo XVIII do seu livro Considerações sobre o “Ordo Missae” de Paulo VI. O autor do vídeo, ignorante como tal ou mentiroso (não há terceira alternativa), não considera que esse livro é muito bem conhecido entre os sedevacantistas. Inclusive, mesmo com a conclusão divergindo dos sedevacantistas, o livro é muito utilizado por nós por causa da riqueza de citações. O leitor pode inclusive olhar a biblioteca deste humilde site e ver que uma parte dessas obras e o próprio livro do Arnaldo estão lá e os meus modestos textos sempre contam com a devida referência.

3. “Sem noção”: O vídeo é embaraçoso porque revela que a Monfort não sabe o que está fazendo e que não está familiarizada com o estado da questão. Para quem conhece os argumentos sedevacantistas, nota-se o primarismo da suposta refutação. Os argumentos apresentados são de uma ingenuidade semelhante a de protestantes que acham que estão abafando quando discutem com católicos. “Olha aqui na Bíblia, o apóstolo Paulo diz que somos salvos pela fé, não pelas obras, então vocês católicos estão errados.” Fica até difícil demonstrar isso aqui sem ter que se alongar desenhando e explicando.

COMENTÁRIO: A forma de eles interpretarem o Cardeal Billot é uma amostra disso, mas deixarei para mais abaixo.

4. Billot “sedevacantista”: o grande cardeal, assim como outros nome de peso, é por vezes citado por sedevacantistas em apoio à sua posição. Billot está do lado dos sedevacantistas, não dos que resistem a quem chamam de papas. No caso em questão, a Monfort parece ser ignorante do fato de os sedevacantistas já várias vezes responderam à objeção levantada aqui. O que deviam ter feito era primeiro fazer o dever de casa, pesquisar e ver como os sedevacantistas tratam essa objeção, e só então pensar em oferecer um argumento-resposta.

COMENTÁRIO: Vejamos o seguinte. Será que a Montfort segue o que Billot ensina? Se Bergoglio é legítimo papa, ele deve ser a regra da fé e referência a eles. Todavia, não é o que vemos. Mas maior do que o problema com relação a Bergoglio é com relação ao Montini, dito “Papa” Paulo VI, que aprovou o Concílio Vaticano II e a seita montfortiana prefere seguir as críticas do Orlando Fedeli a seguir aquele que reconhece como papa. Será que eles seguem fielmente o teólogo que estão citando para supostamente nos refutar? Será que Billot realmente aprovaria o comportamento deles? Ademais, completo como uma citação de Billot omitido pelo Arnaldo Vidigal Xavier da Silveira e que faço questão de colocar aqui:

A respeito da infalibilidade das coisas que pertencem à disciplina, deve-se brevemente notar que ela consiste inteiramente em que a autoridade suprema da Igreja, em virtude da assistência do Espírito Santo, não pode jamais instituir leis que são de um modo ou de outro opostas aos preceitos revelados da fé e da moral (aaaa Tractatus De Ecclesia Christi, q. XI, tese XXII, §2. Prati, 1909, p. 469).

Essa citação não parece ser muito interessante para a Montfort. Ademais, quem disse que realmente a Igreja aceitou Montini, Wojtyla e Bergoglio como papas? Será que podemos identificar a Igreja de Cristo nessa Babel iniciada com o Concílio Vaticano II a qual o próprio Orlando via e criticava? É claro que a Igreja precisa aceitar o papa, mas a pergunta sobre onde está essa Igreja continua e não parece estar com o clero modernista.

5. Ao citar teólogos, o vídeo deixa inteiramente de lado a doutrina tradicional da Igreja de que, mesmo que um texto magisterial não-invalivel possa ter erros, tal texto ainda assim é seguro de seguir. Em outras palavras, como Mãe e Mestra, a Igreja não pode incluir em seu ensino nada que contenha erro pernicioso, que traga dano à alma. Um papa pode até errar, mas jamais pode propor aos católicos algo espiritualmente danoso, e um fiel não faz mal se seguir o que um papa diz. Pode a Monfort dizer isso a respeito do ensino de um Paulo VI, de um Francisco?

COMENTÁRIO: Aqui, fora o que citei de Billot, cito outro grande cardeal: John Baptist Franzelin, teólogo de primeiro escalão muito importante no Concílio do Vaticano, o último concílio ecumênico da Igreja:

Nestas declarações, embora a verdade da doutrina não seja infalível — dado que por hipótese não há a intenção de fechá-la — há entretanto uma segurança infalível, enquanto para todos é seguro abraçá-la, e não é seguro rejeitá-la, nem isto pode ser feito sem violação da submissão devida ao Magistério constituído por Deus (Tractatus de Divina Traditione et Scriptura; c. II, tese XII, scholion I. Roma, 1875, p. 127).

Novamente vemos a hipocrisia da seita montfortiana: onde está a obediência devida ao papa e a devida docilidade?

6. Muitos argumentos em favor do sedevacantismo e muitas refutações de objeções já foram oferecidas à Monfort, mas ela prefere ignorar toda esta argumentação e lançar mais um vídeo como se as refutações anteriores não existissem. Aí já pode ser mesmo um caso de ignorância afetada ou de se fazer de sonsos. Quando é que a Monfort vai refutar os argumentos apresentados em discussões anteriores? Quando é que a Monfort vai querer aprender seriamente, gastar tempo lendo livros e artigos sedevacantistas e refletir sobre o assunto, antes de posar de refutadores?

COMENTÁRIO: Claro que a Montfort, como também todos opositores do sedevacantismo, preferiram fechar os olhos e encher a ponta de faca de murros. A Montfort, por ser um apostolado falido (pois sabemos que tem abordado esse assunto para ganhar mais projeção, inclusive usando a imagem do Frei Tiago), precisa do sedevacantismo para ter algum assunto para discutir e ganhar visualizações. Eles não tratam o assunto com seriedade, preferem chamar mais pessoas porque são amigos do mundo. A falta de caridade na forma de tratar as pessoas que divergem e a desonestidade explícita provam isso. E essa desonestidade que me dá todo o direito de acusá-los do servos do Pai da Mentira. Porque eles mentem; porque não querem glorificar a Deus, mas ganhar a glória do mundo; porque compõem uma seita cujo guru é o Orlando Fedeli, pois não são os papas a regra próxima da fé, mas um leigo; e vivem um catolicismo de aparências, pois preferem o exterior ao interior, uma vez que se tivesse vida interior não tratariam o adversário como tratam. Um verdadeiro farisaísmo. Algum estulto poderia objetar que santos xingavam os hereges pertinazes, mas isso não se aplica aqui pois, em tese, estamos numa discussão entre pessoas que possuem a intenção de ser católicos. A primeira abordagem dos católicos sempre é com doçura e a severidade só vem depois da pertinácia. É só estudar para ver isso. Ou o autor do vídeo acha que os inquisidores chegam xingando?

Ademais, ficou provado que não refutaram nada. A pobre e falida Montfort (não sei se está falida financeiramente, mas o comportamento do autor do vídeo mostra que está falida com relação aos frutos) precisa estudar muito o assunto ainda. Muito mesmo. Se nem mesmo intelectuais do calibre do Prof. Carlos Nougué, Padre Calderón e outros conseguiram, quem é esse amador para achar que pode? Estamos ancorados na verdade. Não sobre o Pai da Mentira. Tanto que não precisei criar um espantalho inexistente sobre o autor do vídeo. Basta que vejam com seus próprios olhos e verão.

5 comentários em “REFUTANDO A FALSA REFUTAÇÃO DA MONTFORT

Adicione o seu

  1. Texto maravilhoso. Obrigada por expressar tão bem a verdade. A Monfort esta perdida, na maldade. Por que se recusam a enxergar? Salve Maria. Bruna e Júnior e família. Aqui em casa até os pequenos de 6 e 4 anos acompanham conosco as suas publicações. Deus abençoe

    Curtir

    1. Obrigado, querida. Todavia, apenas aproveitei um comentário escrito anteriormente e julguei oportuno apenas reproduzir aqui e complementá-lo com um comentário. Agradeço os elogios. Sempre para maior glória de Deus.

      Curtir

  2. Aprendo muito com você Luciano, que Deus abençoe sua vida e seu apostolado.
    Luciano gostaria de ler sobre dois ritos , vi que tem algo sobre gostaria de ler .

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Blog no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: